Super-Choque e uma editora de super-heróis negros nos anos 90

1146654-milestone-comics-1

    Um tempo atrás fui com dois amigos, Cesar Rodrigues e Pedro Souza, fazer uma espécie de “visita guiada” a um sebo tradicional da capital baiana. Primeira era uma experiência intimista, pessoal, compartilhada com outros entusiastas de quadrinhos: vasculhar o que esse velho acervo tinha a nos oferecer. Foi, também, um exercício de memória, reaver edições, rememorar aventuras, narrativas, etc. O desfecho foi ainda mais proveitoso e espero poder comungar aqui neste texto.

Superboy, 1ª série #11Entre uma enxurrada de edições avulsas, em sua maioria da editora Abril que monopolizou o mercado de quadrinhos de super-heróis desde 1989 através da sua divisão chamada Abril Jovem, encontramos curiosidades mil. Os três companheiros confabulavam sobre leituras, personagens e davam espirros entre as pilhas que eram retiradas das estantes. E nesse garimpo muito mais lúdico que predatório, eis que encontramos um universo de personagens negros que atuou nas páginas da revista Superboy entre 1995 e 1996. Eram os super-heróis negros da editora Milestone Comics, fundada dois anos antes, licenciada pela DC Comics.

Tratou-se de um crossover entre os personagens da Milestone e o recém introduzido Superboy (aquele clone surgido na saga O Retorno do Super-homem, de 1993, lançado pela editora abril em três volumes no antigo formatinho em 1994). Em solo estadunidense as edições intercalaram entre os títulos dos personagens envolvidos de ambas as editoras. Na aventura, um carteiro acaba ganhando habilidades de tele transporte e coloca em rota de colisão os dois mundos (por isso a saga se chama Quando Mundos Colidem) envolvendo a cidade de Metrópolis no universo da DC Comics e a cidade de Dakota da editora Milestone. As edições da revista Superboy (primeira edição da editora Abril) entre os números 9 e 14.

4c38cf6d7316a023da310fe3d658bfa9O detalhe mais importante da editora Milestone: os protagonistas e a maior parte do elenco de personagens dos títulos são de homens e mulheres negros. É justamente na editora Milestone que se encontra um famoso personagem das animações da DC-Warner, o Super-choque! Sim, ele mesmo! E além dele, temos o Ícone (uma espécie de Super-homem), o Hardware (uma versão entre o Homem de Ferro e o Aço), Rocket (uma garota que foi parceira mirim do Ícone), além dos vilões do Sindicato do Sangue. Reviravoltas no roteiro fizeram com que os personagens das duas editoras entrassem em rota de colisão, fazendo grandes cenas de ação e drama.

Obviamente é o elemento mais significativo da Milestone, essa presença massiva de negros envolvidos na super-narrativa. Mas não se limitou ao ficcional, já que a saga Quando Mundos Colidem foi escrita por Dwayne McDuffie. Escritor negro, foi quem construiu as narrativas do Super-choque para a série animada dos anos 2000 que rapidamente se popularizou. Se ainda assim o nome do escritor ficou aparentemente distante do mainstream, saiba que ele também escreveu os roteiros da outra série da Warner chamada Ben 10 (sim, ele mesmo). Infelizmente nos deixou em 21 de fevereiro de 2011 por conta de complicações numa cirurgia de coração aos 49 anos de idade.could-we-see-static-shock-in-dc-s-legends-of-tomorrow-static-shock-in-young-justice-796284

No ano de 1997 a editora Magnum Force, novata no ramo de quadrinhos aqui no Brasil, decidiu trazer os personagens mais conhecidos da Milestone: Ícone e Hardware. A edição única da revista Black Force (lembro que iria escrever sobre essas revistas de “uma edição só”, comentei até mesmo com Natania Nogueira – também pesquisadora – sobre o intento, mas veio a calhar neste texto), trouxe as edições de lançamentos de cada um deles. Infelizmente nunca chegou a um segundo número.

Tanto as histórias presentes no encontro dos personagens em Quando Mundos Colidem quanto nas histórias próprias desses personagens a presença de mulheres e homens negros é naturalizada. Não há a mais ínfima menção ou sugestão de conflito, mas, sim, uma aberta e sincera expressão de representatividade, com uma presença vigorosa da cor em corpos, mentes e atitudes. Apesar de Super-choque ter sido o único a ganhar destaque no imaginário popular (ele está em quase toda listagem de célebres super-heróis negros), não há como negar a qualidade atingida pelos seus irmãos e irmãs de editora.Hardware-Curt-Metcalf-Milestone-Comics-McDuffie-b

Nos sobra, então, essa carinhosa e justa proposta que aterrissou quase silenciosamente nas bancas do Brasil na primeira metade da década de 90. E se tem uma função que é primordial do historiador é de fazer essa justiça com a memória e com o saber, de que super-heróis negros de uma editora audaciosa lutaram contra adversidades de moral e de cor. Tudo isso fácil de se fazer, quando se tem um guia, nos garimpos de sebos, nos jazigos do lazer e do conhecimento. Faz a justiça numa realidade de injustiça, e como diria o intelectual Franz Fanon, “nem mais nem menos, (queremos) criar periódicos ilustrados destinados especialmente aos negros”. Duas sugestões de leituras, claro!

Referência:

FANON, Frantz. Pele Negra Máscaras Brancas. Editora Edufba, Salvador, 2008, P.32.

Savio Queiroz

Aprendeu história com quadrinhos e investiga quadrinhos com história. Ofício de Batman e vocação de historiador: consciência de detetive. “A consciência humana”, diz Augusto dos Anjos, “é este morcego”. Facebook: https://www.facebook.com/savio.roz

More Posts

  • O Static acabou sendo absorvido no DC Animated, seria uma série paralela (tanto que ele cita Clark Kent, mas depois encontra ele e o fato dele ser ficcional foi descontinuado do cânone), logo depois ele aparece na Justiça Jovem, os autores usaram o conceito de legado, ainda no DC Animated teve os Ultimen, que eram pastiches dos Superamigos, Vulcão Negro era o Captain Ersatz (termo para pastiche no TVTropes, Ersatz significa substituto em alemão) do Raio Negro, em Liga Sem Limites tinha o Juice, um Captain Ersatz do Captain Ersatz, em Liga Sem Limites não só une o Grande Sombra com o Chefe Apache, como une o Virgil ao Raio Negro, no desenho dele aparecia o uniforme do Vulcão Negro no primeiro episódio e tinha o legado do herói com Soul Power, um herói dos tempos do pai do Viril.

  • Há algum tempo falavam da volta da Milestone de forma independente, paralelamente, anunciavam que a Warner faria um filme sobre o Static, alguns rumores apontavam Jaden Smith, curiosamente, em Fresh Prince of Bell Air/O Maluco no Pedaço, tinha um poster do herói, possivelmente era publicitário, The Big Bang Theory que é da Warner faz isso as camisetas que os personagens usam.

  • Tinha um personagem idêntico ao Luke Cage, o Buck Wild, ele parodiou outros como o Falcão, Raio Negro e o Brother Voodo
    http://dc.wikia.com/wiki/Rufus_Wild_(Dakotaverse)
    https://en.wikipedia.org/wiki/Icon_(comics)