TANK GIRL: Manda Arquivar essa M&*d@!!!

tank girl vitrine

      Em 1988, uma garota maltrapilha pilotando um tanque de guerra, num deserto qualquer, de uma versão futurista da Austrália, estreava. A aparência dela é tão icônica que, depois da atual geração, a Millennial, se tankgirldeparar com sua imagem farão logo uma correlação com a Jinx, do jogo League of Legend, ou mesmo com a Imperatriz Furiosa. na versão mais recente de Mad Max. Rebecca Buck, a Tank Girl, é a vovó dessas meninas!

Muito antes de Lobo ser redefinido por Alan Grant, em 1990, Tank Girl já abusava do estilo. Era a caçadora de recompensas que incorporava o espírito punk nas páginas de quadrinhos britânicos, com o non sense tomando conta da narrativa e muitas imagens e argumentos fazendo chacotas com a sociedade ocidental da segunda metade do século XX. Foi concebida por Jamie Hewlett e Alan Martin, quando o segundo estava envolvido com uma banda e o primeiro com imagens pinups para projetos gráficos envolvendo fones de ouvidos e tanques de guerra da Segunda Guerra Mundial.

Jinx, de League of Legends
Jinx, de League of Legends

A cena punk era o nicho perfeito para que esse tipo de produção fosse desfrutada e consumida. Tank Girl atravessou as trincheiras do conservadorismo de Margaret Tatcher com seu deboche habitual, expressando uma sexualidade exacerbada e a total falta de pudores. A primeira mulher no cargo de primeiro-ministro da Grã-Bretanha promoveu privatizações e legislações anticomunistas que praticamente transformaram o país num estado de exceção, gerando uma massa de jovens inconformados. A Tank Girl é reflexo direto dessa geração que confrontou a “Dama de Ferro” (Por isso o Iron Maiden a colocou na capa do LP Sanctuary, em 1980).

Tank_GirlCharuto grotesco na boca, machucados no corpo (com alguns esparadrapos e band-aids), cabeça raspada e armas, muitas armas. Com essa estética, a pinup da contracultura logo se destacou não apenas no meio underground como, também, no mercado britânico de quadrinhos. Em suas primeiras edições, Tank Girl gargalhou para a infâmia do ego masculino (como ela mesma declara na edição 20 da finada revista Animal, agosto de 1991, aqui no Brasil), habitava uma região mais distante dos grandes centros, das grandes metrópoles, nada de Nova York ou Londres, e tornou-se fora da lei quando fracassou na missão de levar fraldas geriátricas para o presidente!

Cenas recheadas de pequenas mensagens dão o tom ainda mais escrachado da série, demonstrando total desprendimento com o verossímil. Figuras hominídeas aleatórias surgem entre os quadros para enaltecer o dramboche (drama-deboche), e até mesmo o “humor de porta de banheiro masculino” do Hewlet é ridicularizado pela própria Tank Girl numa dinâmica de metalinguagem que vamos conhecer na Mulher-Hulk da Marvel em 1989, nos roteiros de John Byrne.tankgirl1_GeekInsider1

A história de Tank Girl, apesar de originalmente britânica, se passa “em algum lugar nos cafundós da Austrália”, de um futuro pós-apocalíptico dos anos 80. Haviam muitas referências à cultura pop da época, como o vaso com os restos mortais de Robert DeNiro servindo de vaso para um cacto, faz menção ao Ronald McDonald sobre meio ambiente, e nomear um enorme bastão de baseball de Magic Johnson. “Inapta, indisciplinada demais, além de gorda”, como ela mesma se considera, Tank Girl enfrentou até um diabo rollingstoniano!!

Jamie Hewlett ficou bastante conhecido por ter sido o responsável pelo design dos personagens da banda londrina Gorillaz, em 1998. Na terra nativa, sua criação, Tank Girl, ficou famosa, mas aqui no Brasil só fez parte de seis edições da revista Animal. Talvez muitos de hoje nem façam ideia da existência dessa garota, mas ela chegou a ter um filme, em 1995, com a atriz Lori Petty  (hoje conhecida pela louquinha Lolly Whitehill, da série da Netflix Orange Is The New Black), como a protagonista. Apesar do roteiro ter sido feito por seus criadores, obviamente Hollywood não iria large_hTGCzUi3nYdhQTWCk5QgGRTwg3qcomportar a charada Tank Girl dos quadrinhos:

“O que é careca, fedorento, apaga cangurus, usa sapatos largos e soutien apertado (e calcinha que precisa de uma lavada), fuma, bebe e briga demais para seu próprio bem, e que nesse exato momento tem uma mega ressaca?”

Apesar de tudo, o filme não foi um sucesso. Talvez se torne cult daqui a um tempinho, já que não precisam ser boas as coisas que são cult!

As críticas e os críticos ainda não chegaram num consenso sobre a Tank Girl ser ou não feminista. Nos quadrinhos ela não levanta nenhuma bandeira, mas fica claro que sua conduta dissidente lhe dá uma autonomia bastante inusitada para uma mocinha britânica dos anos 80. Punk, é sabido; Grunge, é provável; Anarquista, questionável (até por que grana é um de seus desejos quando pensa num acordo com o diabo!). Uma coisa é certa: Tank Girl é conflituosa à performance de gênero que lhe é atribuída, inclusive tendo um namorado, Booga, que é um canguru mutante, excelente cozinheiro e dedicado companheiro.y_17dafe2a

Sua liberdade extrapola o sexual, seu rompimento com o estereótipo, em si, é bastante significativo. Ela consegue abarcar duas concepções feministas tidas por contraditórias, mas que são complementares: a conscientização individual pela transformação da conduta e a irmandade (ela e suas duas amigas: Jegirl e Subgirl!) Uma moral para a história da Tank Girl? Ora, como diria a própria desbocada, “f*d@-se! Entenda do jeito que quiser!”

tg01

Savio Queiroz

Aprendeu história com quadrinhos e investiga quadrinhos com história. Ofício de Batman e vocação de historiador: consciência de detetive. “A consciência humana”, diz Augusto dos Anjos, “é este morcego”. Facebook: https://www.facebook.com/savio.roz

More Posts

  • Luiz Fernando

    Poxa, tá aí um quadrinho e um filme com os quais estou em débito! Fiquei com muita vontade de ler e assistir!
    Me fez lembrar de Hallo Jones, tem algum paralelo entre elas fora serem personagens femininas principais de quadrinhos britânicos?

    • Savio Roz

      Nossa, havia respondido bastante aqui, fui olhar agora e não vi a resposta. Como havia colocado, Halo é mais antiga que Tank quatro anos e tem uma temática mais comprometida com a verossimilhança. Talvez uma HQ que tenha mais sofrido influências de Tank Girl foi justamente a versão LOBO Czarniano!
      Mas sua memória reviveu uma obra e tanto, muitas vezes esquecida quando fazem um cânone do melhor do Alan Moore!

      • Luiz Fernando

        Pois é, acho q o pessoal esquece pq é uma história inacabada e alguns acham a arte (fenomenal) datada, mas é uma história muito boa. E se Halo Jones vc diz ser mais verossimilhante que Tank Girl, Tank Girl deve ir bem longe hahaha Mas entendo pq vc descreveu Halo dessa forma. Vou ir atrás de Tank Girl!